Superfícies

GALVANIZAÇÃO A FOGO

 

As grades metálicas MEISER em aço são normalmente galvanizadas a fogo. Na nossa nova fábrica, que iniciou a atividade em 2011, isto é feito de acordo com as especificações DIN EN ISO 1461. As mais modernas técnicas de galvanização e ambientais garantem uma proteção contra a corrosão durante muitos anos, que resiste às solicitações mecânicas e químicas habituais.

 

PROCESSO DE IMERSÃO RICKERT

Se deseja utilizar cores nas suas grades metálicas, o processo de imersão Rickert oferece-lhe a solução mais conveniente e mais resistente. No processo, as grades metálicas são primeiro desengorduradas em banhos de imersão, decapadas e fosfatadas com zinco. Depois, a tinta em pó é aplicada por eletrostática e seguitamente secada em estufa, a cerca de 180º. O revestimento DUPLEX da MEISER, que consiste numa galvanização a fogo seguida de um revestimento com pó, oferece uma proteção contra a corrosão especialmente duradoura. O revestimento com pó está disponível em todas as cores RAL, com diferentes níveis de brilho e estruturas de superfície. Além disso, nós podemos realizar todas as espessuras de revestimento necessárias, desde C1 até C5-M, para todos os fins imagináveis.

DECAPAGEM (AÇO INOXIDÁVEL)

As grelhas MEISER em aço inoxidável são em regra decapadas após a produção, uma vez que ao soldar formamse escamas e cores de revenido, que são potenciais pontos de ataque pela corrosão. No processo de decapagem, as grades metálicas são mergulhadas num banho de decapagem, obtendo-se uma superfície metalicamente pura e também protegida.

POLIMENTO ELETROQUÍMICO (AÇO INOXIDÁVEL)

O processo de polimento eletroquímico representa o inverso do processo galvânico. Sob o efeito de corrente contínua, num eletrólito é removido metal da superfície da peça a trabalhar ligada a um ânodo. Resultam superfícies lisas e brilhantes, que possuem uma elevada resistência à corrosão e são fáceis de limpar.

ANODIZAÇÃO (ALUMÍNIO)

As grades metálicas MEISER em alumínio são anodizadas como standard, para impedir uma oxidação. No  processo de anodização, que em regra decorre num banho de imersão, o material é primeiro desengordurado e decapado, antes de ser feita a anodização propriamente dita. É utilizado o processo químico da eletrólise, em que é criada sobre o alumínio uma camada protetora óxida. Esta pode receber uma cor, caso não se deseje a cor natural do alumínio.

PROJEÇÃO DE GRANALHA DE VIDRO

 

As grades metálicas MEISER de aço ao crómio e de alumínio são ainda tratadas utilizando pérolas de vidrocomo meio abrasivo por projeção. A técnica com jato permite obter superfícies mate ou com brilho acetinado, e esconder defeitos na superfície do material.O efeito mate acetinado resultante é duradouro. A superfície é limpa de corpos estranhos aderentes e também reforçada, prolongando a durabilidade.

PINTURA ELETROFORÉTICA POR IMERSÃO

O revestimento por pintura eletroforética por imersão (KTL) é uma boa combinação de proteção contra a corrosão, que oferece uma boa resistência contra solicitações mecânicas e químicas. Garante uma proteção contra a corrosão eficaz e duradoura, resistente a arranhões, impactos de pedras e água salgada. A pintura por eletrodeposição baseia-se no princípio físico de que materiais com uma carga elétrica oposta se atraem mutuamente, obtendo-se assim uma aderência muito boa. Antes do processo de revestimento é aplicada uma corrente contínua à peça a trabalhar, que seguidamente é mergulhada num banho de pintura em que as partículas da tinta têm uma carga elétrica oposta. Para se obter um revestimento com uma resistência máxima, o revestimento de tinta è seguidamente endurecido numa estufa a cerca de 180 graus Célsius. É possível obter camadas de revestimento com espessuras diferentes, no entanto a escolha de cores é limitada.